‘Programa de Inclusão com Mérito’ (PIMESP) é garantia de falsa inclusão!

PIMESP propõe curso à distância obrigatório de 2 anos antes que estudantes negros e oriundos da escola pública (TALVEZ) ingressem numa universidade paulista e isto é discriminação negativa.

O governador Geraldo Alckmin e os reitores da USP, UNESP e UNICAMP anunciaram em 20/12/2012 o chamado PIMESP (Programa Inclusão com Mérito de São Paulo), uma proposta para adoção de cotas raciais e sociais nas universidades. De inclusão, porém, só tem o nome. O PIMESP distorce todas as pautas históricas do movimento negro e estudantil e expressa todo o preconceito do governo paulista, que visa apenas a precarização do ensino superior do estado de São Paulo.

Enquanto mais de 50% da povo brasileiro é negro, os jovens brancos são a maioria dos matriculados em universidades, enquanto os negros não ultrapassam 8,3% destas vagas. Na taxa de analfabetismo, os negros representam (13,42%) enquanto os brancos representam (5,94%). Na USP, por exemplo, os negros chegam a no máximo 10% das vagas e em alguns cursos como medicina e direito somam menos de 1% enquanto a porcentagem de negros no estado de São Paulo é de 37% aproximadamente.

Não há nenhuma justificativa plausível para essas discrepâncias que não seja a herança que a escravidão e o racismo significam na história de nosso país. Portanto, defender as cotas raciais é defender a reparação histórica necessária ao povo negro.

Cotas Raciais, sim!    PIMESP, não!

Se depender do governo, a decisão sobre a implementação do PIMESP será tomada este semestre da pior maneira: nos Conselhos Universitários destas universidades, órgãos antidemocráticos e fechados à sociedade. O PIMESP não passa de mais uma barreira para que estudantes negros e egressos da escola pública acessem a universidade pública!

O PIMESP é uma Proposta de curso à distância de ‘reforço’ obrigatório de dois anos para os estudantes negros e oriundos da escola pública que se inscreverem para ingresso na USP, Unesp e Unicamp. Só poderão concorrer as vagas os alunos com 70% de rendimento durante os 2 anos de curso, que serão preenchidas através de um ranqueamento (que ninguém sabe de fato como sera feito). Ele propõe um sistema de ‘metas’ (diferente de Cotas) e apenas em 2016 que 50% das vagas das universidades paulistas para alunos que cursaram integralmente o ensino médio em escolas públicas. Desse percentual, 35% para negros, mas atentem-se ao fato de que ‘as metas podem não ser atingidas’.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s